You are currently browsing the tag archive for the ‘Dores e delícias’ tag.

Não tem mais delícias. Fato. Desacostumei a ficar sozinha.

Vou ficar 10 dias sozinhas aqui na França e se passou só um dia e a liberdade de fazer o que se quer – dormir tarde, almoçar na hora do jantar ou ir no banheiro de porta aberta – perdeu um pouco a graça. Mas acho que todos os anos vivendo sozinha me ensinaram muito. Depois que a gente convive com nossas angústias e ais, se encara para valer, pode conviver com qualquer pessoa. E olha que em Londres foram com seis.

A maior evolução que tive na vida foi a que cheguei a conclusão no início do ano: eu moro em mim mesma, não pertenço a nenhum lugar. E como previsto lá, eu não precisava mesmo de agenda. Tudo muito imprevisível nesse meu ano ( e coincidência, botei Jorge Drexler para escutar enquanto escrevo. E a música que combina com a imagem ao lado: Nada es más simple, no hay otra norma: nada se pierde,
todo se transforma
).

Desde 2007, quando comecei a bolar um plano de vir para a França, eu tinha colocado no meu orkut como meu país de moradia. Aquele plano fracassou, mas hoje estou aqui! Por breve ou longo tempo, não sei, imprevisível, lembra? Mas sentindo a real vida francesa e não correndo com uma mochila nas costas para ver todos os lugares apontados como importantes num guia de viagem.

Ainda não fui aos lugares da Amélie, mas irei. Essa semana voltando para casa na madrugada após assistir show do Festival Mimi nas îles du Frioul, foi um velhote tocando acordeon na praça que me fez sentir na França da Amélie. Não era uma valsa, não era da Amélie, mas nós deveríamos ter dançando. Tem momentos que não se repetem na vida.

Anúncios

Conflito de gerações. É por isso que a gente tem prazo de validade para sair da casa dos pais.

Meu pai reclama que eu fico muito na internet. Só consegui fazer ele parar de resmungar quando eu disse que eu fico navegando tanto quanto ele fica assitindo tevê.

Ir no banheiro com a porta aberta.

Depois de passar uma semana com a família antes do Natal e quase duas semanas na praia, hoje cheguei a conclusão que meio que desacostumei a morar sozinha. Pela primeira vez não tive aquela vontade de “estar só eu no meu canto fazendo minhas coisas”. Talvez eu já esteja me preparando para uma nova fase que vem por aí.

É madrugada de quinta-feira, volto hoje para Porto Alegre e vamos ver como vou me sentir. Já estou lamentando as festas que vou deixar de fazer no fim de semana, a cantoria na varanda, o chimarrão no final da tarde e as conversas na rede… Sem falar no banho de mar que ainda não tomei este ano, o agito na areia, as pedaladas no calçadão a beira-mar, os banhos de piscina e a brisa que bate aqui.

Mas ainda tenho o dia de hoje para aproveitar. Espero que o sol apareça mais cedo e eu levante mais cedo do que nos últimos dois dias.

Chegar em casa de madrugada e não precisar andar na ponta dos pés.

O ruim de morar sozinha é que tu só se dá conta de que está introspectiva quando entra em contato com outras pessoas.

Ter total poder sobre o controle remoto da televisão.

A não ser que ele seja da Net versão analógica e tenha vida própria, como o meu.

Também é bom ter o controle do DVD só para mim. Sou do tipo chatinha, se perco uma palavra, volto o filme.

Esquecer a toalha molhada em cima da cama e não ter de quem reclamar, afinal foi você mesma que deixou.

Esquecer um cartão em casa e só lembrar na hora de fazer uma compra e não ter ninguém para ligar para pedir o número.

Outras dores e delícias

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 24 outros seguidores

Top Clicks

  • Nenhum

Blog Stats

  • 250.200 hits
janeiro 2019
S T Q Q S S D
« maio    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  
Anúncios