You are currently browsing the tag archive for the ‘cute’ tag.

Lovely! Never is too late!

But don’t forget to enjoy the present. It’s a gift in your life, it can be hard, but have the same flavor that will have in  60 years. I think and I belive is more exciting to enjoy 60 years by his side, after all, than to lose this opportunity…

Anúncios

Acabei de assistir Crepúsculo (Twilight) e claro estou suspirando pelo mocinho do filme.

E aí cheguei a uma conclusão: acho que só tendo 108 anos para um homem ser assim tão cute, gentil, amável e assumir de verdade quem ama, como o Edward Cullen…

Então são dois tipos de suspiros: um por querer ter um Edward e outro por saber que eles não existem. Mas filmes são bons por isso: sempre nos fazem sonhar.

E entendo a Bella, quando apaixonada não se deve medir consequências. Ou melhor, não se consegue.

p.s.: e se alguém disser que seu namorado ou marido é assim é porque está apaixonada… good for you!

I just want be for somebody this:

You’re a falling star, you’re the get away car
You’re the line in the sand when I go too far
You’re the swimming pool on an August day
And you’re the perfect thing to say

And you play it coy, but it’s kind cute
Ah, when you smile at me you know exactly what you do
Baby, don’t pretend that you don’t know it’s true
Cause you can see it when I look at you

And in this crazy life, and through these crazy times
It’s you, it’s you, you make me sing
You’re every line, you’re every word, you’re everything

You’re a carousel, you’re a wishing well
And you light me up, when you ring my bell
You’re a mystery, you’re from outerspace
You’re every minute of my everyday

And I can’t believe, uh that I’m your man
And I get to kiss you baby just because I can
Whatever comes our way, ah we’ll see it through
And you know that’s what our love can do

And in this crazy life, and through these crazy times
It’s you, it’s you, you make me sing
You’re every line, you’re every word, you’re everything

And in this crazy life and through these crazy times
It’s you, it’s you, you make me sing

You’re every line, you’re every word, you’re everything
You’re every song, and I sing along
Cause you’re my everything

Yeah, yeah

(Everything, Michael Bublé)

* Se você ainda não assistiu 500 Dias com Ela e não gosta de spoiler, melhor não ler esse post.

Fui na sessão da meia-noite e cinco assistir (500) Days of Summer. Quando cheguei no shopping estava tocando Just Like Heaven, na voz da Katie Melua, trilha do filme E se fosse verdade*. Apesar da hora e do feriadão, tinha uma fila grande no cinema, pra tudo: comprar ingresso, comprar pipoca e entrar no cinema. Menos para ver 500 Dias com Ela, claro. Éramos seis pessoas na sala e amei o filme. Tá na categoria Amélie Poulain pra mim, bem como E se fosse Verdade. Só que esse é bem mais verossímel, mas não deixa de ser cute, cute, cute.

Primeiro me identifiquei muito com a Summer. Pais separados, medo de relacionamentos. Só que ao contrário dela nunca admiti daquela forma, negando que o amor existisse. Primeiro demorei muito para me envolver com alguém. Meu primeiro beijo foi aos 17 anos, o segundo quase um ano depois. Só tive um relacionamento mesmo aos 19 anos, quase 20, e daí em diante me entreguei completamente, sofri e continuei me entregando porque acreditava que tudo de ruim que eu temia já tinha acontecido, então porque ter medo da próxima vez?

Em vez de admitir como ela, sempre afastei caras como o Tom, que quisessem de verdade ficar ao meu lado. Preferia aqueles que estavam mas não estavam… E ter medo da próxima vez seria prudente, porque o raio caiu duas vezes no mesmo lugar. Primeiro admirei a atitude dela, como diria o Marcos, “não se comprometer é bem mais difícil”. Pior são as pessoas que assumem namoro, dizem todas as coisas lindas que a gente quer ouvir e caem fora. Em relacionamentos não há consistência, como ele queria. Assumindo ou não, rotulando ou não, todo mundo pode acordar um dia e não sentir mais. Assumir isso é mais cruel, porém mais realista.

Mas como nessa área tudo é muito mais complicado, como as pessoas mudam de ideia e se o amor existe mesmo e a chega uma hora que realmente a gente sabe, e precisa de uma coincidência para isso (o outro sentir a mesma coisa), a pior coisa que pode acontecer é pessoas que não queriam compromisso se casarem depois de terminar contigo. Foi isso que aconteceu comigo duas vezes. Hoje sei que eu é que não sentia que elas eram “a pessoa com quem eu queria passar o resto da vida” e que nem estava preparada para algo sério. Mas a visão míope da paixão confunde um pouco. Depois veio uma pessoa que pela primeira vez eu achei ter certeza, era “ele”, mas eu não era. Faltou a coincidência e hoje estou meio como a Summer. Isso depois de me sentir como o Tom, quando tudo que a gente acredita não existe. Mas sei que foi mais uma pessoa que passou e que só me desviou de perceber o que estava na minha volta, como  a Autumn.

E se ele tivesse pedido? E se ao tentar não pressionar e fazer o que ela queria ele tivesse perdido a mulher da sua vida? Acho que quando “é” não há esse tipo de complicação e contradição – pelo menos ainda tenho fé que o amor seja assim, tranquilo. Primeiro preciso dar a chance a alguém de passar 500 dias comigo, de verdade.

Há muitas coisas incertas nessa vida, o amor é uma delas. Mas tem muitas coisas das quais a gente tem certeza. Uma delas é que depois do verão sempre vem o outono.

::::::

E acredito, que por mais especial e importante que tu tenha sido na vida de alguém, você será esquecido e perderá esse status. Pois aquela pessoa com quem você vai viver a louca experiência de acreditar que é para sempre na forma de um casamento, ou com quem você terá filhos, será a mais marcante de todas. Para o bem ou para o mal.

::::::

Adorei o visual retrô da Summer, a trilha sonora e Carla Bruni, nossa quando tocou Quelqu’ un m’ a dit (escrevi esse post ouvindo) eu viajei. Lembrei do fim do ano retrasado quando as canções dela embalavam um sonho que abandonei por alguém. Mas o sonho voltou, diferente, mas voltou.

Queria descobrir em que ano se passa o filme (ah depois de escrever isso li o texto que indico no pé do post e lembrei que eles jogam wii, então deve ser bem recente), e é em Los Angeles? Sei lá, pelas referências que tenho do cinema não parece ser Los Angeles. E deve ser legal trabalhar escrevendo mensagens em cartões. Embora o que ele diz sobre isso é bem verdade. Também adorei a expressão “abdome de Jesus” usada pela irmã do Tom, uma pré-adolescente que dá ótimos conselhos para ele. Vou adotar! Não me perguntem mais se gosto de lavar roupa, por favor. Um dos ótimos conselhos dela é que ele só está se concentrando nas coisas boas, por isso a dificuldade em esquecê-la. Sabe que quando passa a paixão, o suposto amor, a gente lembra das coisas boas e elas não machucam mais. Mas antes disso, se concentrar nas ruins como um mantra ajuda muito.

Na saída a Nessa comentou sobre a quantidade de gente que tinha no cinema, eu disse que provavelmente era para assistir Avatar. Aí ela disse que não gosta de filmes que viajam muito. Eu disse que também não, por isso que gostei de 500 Dias com Ela, tão real que termina daquele jeito.

E a verdade é que quando alguém está a fim de você, faz acontecer. É por isso que nem pego mais telefone ou ligo no dia seguinte.

Eu quero o DVD desse filme, e aí lendo sobre o que escrevi sobre E se fosse verdade*, também disse isso e até hoje não tenho…

Ah e quem nunca se sentiu assim como o Tom na cena abaixo (mais ou menos como na música Telegrama, do Zeca Baleiro)? Ele estava apaixonado e , depois de passou a primeira noite com ela. Apesar de estar adorando esse meu espírito de liberdade, desprendimento e casualidade, quero sentir isso muitas outras vezes na vida, ou pelo menos mais uma, se eu encontrar “o cara”.

Aqui tem um texto legal e com várias curiosidades sobre o filme

Ele queria ver Julie & Julia porque é sobre culinária. Eu não sabia muito sobre o filme, mas daí ouvi falar que era mais sobre blogs que gastronomia. Então pensei: ou vai agradar os dois ou pelo menos um sai satisfeito. Na verdade fala sobre os dois e nos divertimos muito.

O filme é adorável, cute, engraçadíssimo e falar do talento da Meryl Streep é chover no molhado tanto quanto esta expressão, mas ela se superou. E não é todo dia que a gente vê um filme baseado em DUAS históriais reais.

Me identifiquei muito com a Julie. Perto dos 30, sem muita perspectiva em alguns aspectos da vida, com o sonho de ser escritora. Ela se propõe ao desafio de cozinhar as 524 receitas do livro de Julia Child, “Mastering the Art of French Cooking” durante um ano, 365 dias. A experiência é toda relatada em um blog, isso lá em 2002, quando a coisa tava começando. E tem todas as coisas que qualquer blogueiro já passou, como a mãe tirando conclusões a partir das coisas que você escreve, essa exposição que não se sabe bem para quem, mas quando menos se espera é para alguém que está bem perto de ti e tu nem tem muito contato. A alegria de receber comentários, a dúvida de quem são as pessoa por trás dos números das estatísticas.

Enquanto prepara as receitas, ela tem Julia como sua interlocutora. (Para quem lê meu blog há mais tempo já deve ter percebido que minhas interlocutoras são a Amélie Poulain, Celine e Carrie Bradshaw). E aí o filme conta a história dela, que foi viver com o marido na Paris dos anos 50 e aprendeu a cozinhar para ter uma ocupação, já que gostava de comer e como tinha casado aos 40 anos não teve filhos. Não sei se Julia Child era assim na vida real, mas sua personagem é uma pessoa incrível, a única pessoa que realmente não era chata nesse mundo e que encontrou na maturidade um amor tranquilo, mas não menos caliente, com um furor adolescente até. Bonito de se ver. E a declaração de amor: você é meu pão com manteiga. Adoro. Tem coisa mais gostosa e simples? É o tipo de coisa que eu penso quando estou estressada: vontade de estar em casa comento um pão com manteiga.

Enfim, eu escrevo, ainda não sei para quê. A Julie demorou para descobrir e isso veio junto com a culinária. Ela queria se tornar escritora, mas ela era uma boa cozinheira. Isso é um talento, uma arte. Encontrei alguém que tem esse dom, quem sabe a gente não faz uma ótima parceria?

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 24 outros seguidores

Principais mensagens

Top Clicks

  • Nenhum

Blog Stats

  • 249.955 hits
novembro 2018
S T Q Q S S D
« maio    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  
Anúncios