En 1967, lors de ses adieux à la scène, un journaliste visiblement intrigué par sa décision, demande à Jacques Brel ce qu’il fuyait. Il réfléchit quelques secondes, tête baissé, puis, du ton las de celui qui sait qu’il faut sans fin répeter les choses, il dit…

“Quand quelqu’un bouge, les immobiles disent qu’il fuit.”

(Extrait de Blast, Manu Larcenet)

Em 1967, logo após seu adeus aos palcos, um jornalista visivelmente intrigado por sua decisão, pergunta à Jacques Brel (compositor e cantor de Ne me quitte pas) do que ele fugia. Ele pensa alguns segundos, cabeça baixa, depois, num tom daqueles que sabem que tem que sem fim repetir as coisas, ele diz:

“Quando alguém se move, os imóveis dizem que ele foge”.

(Extraído do BD Blast, Manu Larcenet, uma livre tradução minha).