Adoro o Zeca romântico, adoro a poesia do Zeca, seja de amor ou de crueza. A solidão de quase todo o álbum Baladas do Asfalto & Outros Blues que me fez companhia numa fase que eu estava  so alone e quis ir para  Babylon… au revoir ralé.

Adoro a originalidade de Bienal, o escracho de Samba do Approach. Quantas vezes suspirei por alguém de que eu não sabia Quase Nada e quantos Bichos de Sete Cabeças se criaram.

E quantas não foram as incontáveis vezes que quis ir no show dele, opa, contáveis, tá aqui no blog. Só consegui vê-lo uma vez, no Bailão do Baleiro, não teve o brilho de sua trajetória musical, mas foi divertido…

… mas nesta sexta eu vou! Finalmente, vou ver um show inteirinho, dessa vez não será proibido para mim

Mas tudo começou com essa música aqui, adoro esse havy metal debochado das guitarras com o regionalismo nordestino das cordas do violão: