Finalmente estou lendo Dom Casmurro, de Machado de Assis. Acho uma falta grave no meu currículo. Também só li Memórias Póstumas de Brás Cubas neste ano. Bom, pelo menos não saio da graduação sem ter lido esses clássicos.

A edição que comprei o ano passado da Editora Record é de uma coleção chamada Descobrindo os Clássicos e diz que tem a versão original da obra, então promete!

Mas a minha primeira decepção foi descobrir que a Capitu se chama na verdade Capitolina. E esse tipo de literatura diário, memórias póstumas ou recordações antigas me faz lembrar a leitura de um blog. Não consigo mais desassociar uma coisa da outra. Foi assim quando li A Casa de Carlyle e outros esboços, da Virgina Woolf.

Mas ainda estando na página 64 de Dom Casmurro já arrisco meu palpite se Capitu traiu ou não Bentinho. A grande chave extra-literária do livro que o tornou clássico.

Eu acho que nem Machado de Assis sabia. Já escrevi várias histórias e por não saber que final dar, deixei que a dúvida fizesse sua parte. Machado escreveu já com a intenção de não revelar se houve de fato a traição de Capitu. E como é tudo escrito do ponto de vista de Bentinho… Fato é que estou preparada para ler e continuar sem a resposta. Para mim a verdade é esta que coloco aqui. Depois que eu terminar de ler vamos ver se mudo de idéia.

Anúncios